Identificação do potencial de expansão de atividades antrópicas e preservação ambiental e avaliação de conflitos de interesses na área de entorno da UHE Itutinga (Minas Gerais)

Douglas Felipe Lucas, Bráulio Magalhães Fonseca

Resumo


DOI

Devido ao seu elevado potencial de aproveitamento hidráulico, a maior parte da energia elétrica brasileira é proveniente de usinas hidrelétricas. Contudo, a implantação e a operação destas podem causar severos impactos ao meio ambiente. Diante deste cenário passou a ser exigida, no licenciamento de hidrelétricas, a apresentação do PACUERA, que pode ser definido como um conjunto de diretrizes e proposições com o objetivo de disciplinar a conservação, recuperação, o uso e ocupação do entorno do reservatório artificial. O objetivo deste artigo é identificar o potencial de expansão das atividades antrópicas e preservação ambiental da área do entorno da UHE Itutinga e avaliar seus conflitos de interesse. Para tal empregou-se análises multicriteriais para a identificação dos potenciais, bem como seu cotejo visando à avaliação dos conflitos de interesse. Os resultados das análises revelam uma nítida relação entre os valores de AHP e a configuração espacial dos potenciais obtidos. As variáveis com maior peso determinaram a distribuição espacial dos valores de potencial. O Potencial de Expansão das Atividades Antrópicas apresenta valores mais elevados concentrados nas áreas urbanizadas da porção noroeste da área de entorno. Já o Potencial de Preservação Ambiental, os valores maiores estão concentrados em fragmentos de vegetação nativa e nas APP. A análise da matriz de interesses conflitantes identificou áreas classificadas como "Projetos Sustentáveis” em 22,27% da área de estudo. São áreas aptas receberem projetos baseados em restauração ambiental ou alvo de ocupação controlada visando o uso sustentável. Tal condição possibilita o avanço do processo de expansão agrícola e urbana com a manutenção das áreas aptas à preservação ambiental.


Palavras-chave


Planejamento Ambiental, SIG, PACUERA, Análise de Multicritérios

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ANTROP, M. (2004). Landscape change and the urbanization process in Europe. Landscape and Urban Planning v. 67, n. 1-4, p. 9–26. Disponível em: . Acesso em: 15/06/2020.

Brandt Meio Ambiente (2017) Plano Ambiental de Conservação e Uso do Entorno do Reservatório Artificial (PACUERA) da UHE Itutinga. Disponível em: . Acesso em: 15/06/2020.

BRASIL (2002). Resolução Conama No 302 de 2002 - Áreas Protegidas – Áreas de Preservação Permanente. Diário Oficial da União, 13 de mai. Disponível em:< http://www.siam.mg.gov.br/sla/download.pdf?idNorma=275>. Acesso em: 15/06/2020.

Cemig. – Companhia Energética de Minas Gerais (2006). Usinas da Cemig: a história da eletricidade em Minas e no Brasil, 1952-2005. Rio de Janeiro: Centro da Memória da Eletricidade no Brasil.

EPE - Empresa de Pesquisa Energética (2018) Matriz Energética e Elétrica. Disponível em: . Acesso em: 15/06/2020.

ESRI (2015). extAhp20 - Analytic Hierarchy Process for ArcGIS. Disponível em: . Acesso em: 15/06/2020.

FONSECA, B. M. (2015). Conceitos e Práticas de Geodesign aplicados ao ordenamento territorial do município de São Gonçalo do Rio Abaixo. 2015. Tese de doutorado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil. Disponível em: . >. Acesso em: 15/06/2020.

FONSECA, B. M.; MOURA, A. C. M.; HADDAD, M.. A. (2014). Definição de áreas prioritárias para conservação na borda nordeste do Quadrilátero Ferrífero por meio da Análise de Multicritérios em ambiente SIG com vistas ao processo de Geodesign. Anais do XXVI Congresso Brasileiro de Cartografia. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, p. 1-17. Disponível em: . Acesso em: 15/06/2020.

Google Earth Pro 7.3.3.(2007) UHE Itutinga, MG. Coordenadas 21o17’31,44"S e 44o37’30,00"W. Data de Visualização: 01/02/2020. Data da Imagem: 31/03/2007.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (1992). Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Rio de Janeiro: [s.n.]. Disponível em: . Acesso em: 15/06/2020.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2002). Mapa de Clima Do Brasil. Rio de Janeiro: [s.n.]. Disponível em: < https://www.terrabrasilis.org.br/ecotecadigital/pdf/mapa-de-clima-do-brasil-ibge.pdf>. Acesso em: 15/06/2020.

MOURA, A. C. M. (2007). Reflexões metodológicas como subsídio para estudos ambientais baseados em Análise de Multicritérios. Anais XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Florianópolis, SC, Brasil, p.2899-2906. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2021.

MOURA, A. C. M.; JANKOWSKI, P. (2016). Contribuições aos Estudos de Análises de Incertezas como complementação às Análises Multicritérios - "Sensitivity Analysis to Suitability Evaluation". Revista Brasileira de Cartografia, v. 68, n. 4. Disponível em: . Acesso em: 15/02/2021.

OLIVEIRA, C. (2009). O Método de Avaliação Por Múltiplos Critérios como apoio ao Planejamento Ambiental: Aplicação Experimental no Cerrado Central do Amapá, Brasil. Dissertação de mestrado, Fundação Universidade Federal do Amapá, Macapá, AP, Brasil. Disponível em: < https://www2.unifap.br/ppgbio/files/2010/05/Cassandra.pdf>. Acesso em: 15/06/2020.

OLIVEIRA, M. S. (2012). Detecção de mudanças de uso e cobertura da terra no Sinclinal Moeda (MG) no período de 1991 a 2011 e previsões de mudanças futuras através de modelo espacial de simulação. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 15/06/2020.

QUÉMÉNEUR, J. J. G. et al. (2012). Carta geológica - Folha Lavras SF 23-X-C-I, 1:100.000. Disponível em: . Acesso em: 15/06/2020.

ROCHA, N. A.; CASAGRANDE, P.; MOURA, A. C. M.(2018). Análise Combinatória e Pesos de Evidência na Produção de Análise de Multicritérios em Modelos de Avaliação. Revista GeoSIG, v. 10, p. 49–74. Disponível em: . Acesso em: 15/06/2020.

SACRAMENTO, B. H. (2016). Análise Multicritério aplicada ao Zoneamento Ambiental em parte da Região Metropolitana de Londrina. Monografia de graduação, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Londrina, PA, Brasil. Disponível em: < https://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/11901/1/LD_COEAM_2016_2_03.pdf> . Acesso em: 15/06/2020.

SATHLER, D.; MONTE-MÓR, R. L. M.; CARVALHO, J. A. M. (2009). As redes para além dos rios: Urbanização e desequilíbrios na Amazônia brasileira. Nova Economia v. 19, n. 1, p. 10–39. Disponível em: . Acesso em: 15/06/2020.

SOUSA, W. L. (2000). Impacto Ambiental de Hidrelétricas: Uma Análise Comparativa de Duas Abordagens. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 15/06/2020.

SOUZA, F. E. V; FONSECA, B. M.; PIZANI, F. M. C. (2017). Compartimentação do relevo baseada em parâmetros morfométricos: uma proposta de índice global de dissecação do relevo. Anais XVII Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, Campinas, SP, Brasil, p. 5513–5524. Disponível em: < https://ocs.ige.unicamp.br/ojs/sbgfa/article/view/2085/2070>. Acesso em: 15/06/2020.

WOLF, C. S. (2008). O Método AHP – Revisão Conceitual e Proposta de Simplificação. Dissertação de mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 15/06/2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Sensoriamento Remoto | ISSN: 2675-5491

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn