Avaliação de impactos ambientais em áreas de mineração com o uso do Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (NDVI): estudo de caso para a região de Paracatu (Minas Gerais)

Bruno Henrique Ribeiro Silva, Raquel Naiara Fernandes Silva

Resumo


DOI

O setor de mineração apresentou um crescente desenvolvimento ao longo do último século, como consequência do desenvolvimento tecnológico da sociedade. Atualmente, ele corresponde à uma parcela importante da economia de muitos países, como é o caso do Brasil, onde o Estado de Minas Gerais é um dos que se destacam na exploração de jazidas minerais. Esse crescimento da atividade mineradora ocasionou um aumento no número de impactos ambientais e suas consequências para o meio ambiente. Buscando meios de identificar e avaliar esses impactos, as geotecnologias têm se apresentado como uma forma eficaz de atingir esse objetivo. Nesse contexto, este estudo objetiva realizar uma análise dos impactos ambientais causados pela mineração, ao longo de uma série temporal, utilizando mapas de NDVI da região da mina do Morro do Ouro, em Paracatu – MG. Os mapas foram gerados utilizando o Google Earth Engine e o QGIS, e para verificar a concordância entre eles, aplicou-se o Índice Kappa, um modelo estatístico muito utilizado em estudos que envolvem geoprocessamento. Os valores de Kappa calculados foram maiores que 0,8 para todos os anos da série temporal, indicando uma concordância excelente e trazendo confiabilidade aos mapas. Assim, observou-se a variação da densidade vegetativa ao longo da série temporal, correlacionando-a com os impactos ambientais causados pela mineração na região. O estudo confirmou ainda, os benefícios do uso de geotecnologias para a área de identificação e avaliação de impactos ambientais e demonstrou a eficiência das ferramentass de geoprocessamento para a geração de mapas de NDVI.


Palavras-chave


Geotecnologias; Impactos Ambientais; Índice de Vegetação por Diferença Normalizada; Índice Kappa; Mineração

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


AGÊNCIA BRASIL. (2015). Expansão da maior mina de ouro do país assusta moradores de Paracatu. Paracatu, MG, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 05 nov. 2020.

ARAGÃO, K. P., NETO, J. M. de M., LIMA, S. C. de, & PEDROZA, J. P. (2020). Sensoriamento remoto e sistema de informação geográfica aplicados à análise espaço temporal de degradação ambiental. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, 11(7), 93-101. Disponível em: . Acesso em 01. jul. 2021.

ARAUJO, E. R., & FERNANDES, F. R. C. (2016). Mineração no Brasil: crescimento econômico e conflitos ambientais. CETEM/CICP, 65-88. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2020.

BUFFON, I., PRINTES, R. C., & ANDRADES-FILHO, C. de O. (2018). Sensoriamento remoto e geoprocessamento como ferramentas para viabilizar o licenciamento ambiental do tradicional uso do fogo visando à renovação de pastagens em São Francisco de Paula, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Eletrônica Científica da UERGS, 4(3), 447-469. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2021.

CASSIANO, A. M. (1996). A inserção da gestão ambiental na empresa de mineração: o estudo de caso da Rio Paracatu Mineração S.A. - MG. Dissertação de Mestrado em Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 04 mar. 2021.

CASTILHOS, Z. C., CAPITANI, E. M. de, JESUS, I. M. de, BIDONE, E. D., MELLO, W. Z. de, LIMA, M. de O., FAIAL, K. R. F., MATAVELI, L. R. V., ARAUZ, L. J. de, SILVA, L. I. D. da, FERREIRA, A. P., TÁVORA, R. S., & MERTENS, F. (2020). Avaliação da contaminação ambiental por Arsênio e estudo epidemiológico da exposição humana em Paracatu-MG - Brasil. Revista Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science, 9 (1), 186-211. Disponível em: . Acesso em: 19 dez. 2021.

COSTA, I. C. da, BRAGA, C. C., MELO, M. L. D. de, & VENTURA, E. D. (2003). Interligação entre Índice de Vegetação derivado do satélite NOAA e precipitações no Estado da Paraíba. Anais do Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Belo Horizonte, MG, Brasil, 7. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 2020.

DUARTE, A. de F. C. (2009). A vida dos moradores da comunidade Santa Rita com a implantação da empresa Rio Paracatu Mineração – RPM. Dissertação de Mestrado em Serviço Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 04 mar. 2021.

DURÃES, M. C. O., MAIA FILHO, B. P., BARBOSA, V. V., & FIGUEIREDO, F. P. de. (2017). Caracterização dos impactos ambientais da mineração na bacia hidrográfica do Rio São Lamberto, Montes Claros/MG. Caderno de Ciências Agrárias, 9(1), 49-61. Disponível em: . Acesso em 30 jun. 2021.

FIGUEIREDO, G. C., & VIEIRA, C. A. O. (2007). Estudo do comportamento dos índices de Exatidão Global, Kappa e Tau, comumente usados para avaliar a classificação de imagens do sensoriamento remoto. Anais do Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Florianópolis, SC, Brasil, 8. Disponível em: . Acesso em: 24 nov. 2020.

FONTANA, D. C., PINTO, D. G., JUNGES, A. H., & BREMM, C. (2015). Inferências sobre o calendário agrícola a partir de perfis temporais de NDVI/MODIS. Revista Bragantia, 73(3), 350-358. Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2020.

FREITAS, J. P. O de. (2018). Processos hidrológicos em áreas de mineração de bauxita na zona da mata de Minas Gerais. Dissertação de Doutorado em Ciência Florestal, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2021.

GOOGLE (s.d.). Google Earth Engine website. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2020.

Instituto Brasileiro de Mineração website (2021). Página Inicial. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2021.

Kinross Paracatu (2017). Casa Kinross resgata a história de Paracatu e da mineração. Paracatu, Outubro. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2021.

Kinross Paracatu (s.d.). Conheca mais sobre as nossas barragens. Paracatu. Disponível em: . Acesso em: 18 jan. 2021.

LANDIS, J., & KOCH, G. (1977). The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics, 33(1), 159-174.

MENESES, P. R., & ALMEIDA, T. (2012). Introdução ao Processamento de Imagens de Sensoriamento Remoto (1a ed.). Brasília, DF: Universidade de Brasília, 266 p.

MILANEZ, B. (2017). Mineração, ambiente e sociedade: impactos complexos e simplificação da legislação. Boletim regional, urbano e ambiental, Ipea, 16, 93-101. Disponível em: . Acesso em: 02 jul. 2021.

PERUZZO, J. S., PEREIRA, M. C. dos S., SILVA, L. D. R. da, OLIVEIRA, B. S. de, & SILVINO, G. da S. (2019). Sensoriamento remoto aplicado ao monitoramento ambiental da bacia do Alto Piranhas, Semiárido Nordestino (Brasil). Revista Brasileira de Meio Ambiente, 7 (3), 28-37. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2021.

QGIS website (s.d.). Descubra o QGIS. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2020.

REGERT, C. F., & MÈRCHER, L. (2018). A importância do desenvolvimento sustentável no Brasil, seus desafios e metas. Artigo TCC, Centro Universitário Internacional (Uninter), Curitiba, PR, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 02 jul. 2021.

RIBEIRO, B. A. L., ALMEIDA, J. R. de, SANTOS, M. F., & NUNES, Q. da C. (2019). Impactos ambientais da mineração no Estado do Pará, Brasil. Anais do Simpósio de Gestão Ambiental e Biodiversidade, Três Rios, RJ, Brasil, 8. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2021.

SANTI, A. M. M., SUZUKI, R. Y., & OLIVEIRA, R. G. de. (2000). Monitoramento da qualidade do ar no município de Itabira, MG: avaliação dos resultados em anos recentes (1997/99) e das perspectivas de modernização da rede de monitoramento no contexto do licenciamento ambiental corretivo da CVRD. Anais do Congresso Interamericano de Engenharia Sanitária e Ambiental, Porto Alegre, RS, Brasil, 27. Disponível em: . Acesso em: 06 nov. 2020.

SANTOS, M. J. dos, & DANI, S. U. Contaminação ambiental e do compartimento humano pelo Arsênio liberado pela mineração de ouro em Paracatu, MG, Brasil. Anais do Congresso da Sociedade de Análise de Risco Latino Americana, São Paulo, SP, Brasil, 3. Disponível em: . Acesso em 29 jun. 2021.

SILVA, R. de S. E, & PAES, A. T. (2012). Teste de concordância Kappa. Educação Continuada em Saúde Einstein, 10(4), 165-166. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2020.

SOPCHAKI, C. H. (2016). Influência do N amostral e das características do relevo na qualidade de modelos digitais do terreno. Dissertação de Doutorado em Geografia, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil. Disponível em: . Acesso em: 09 nov. 2020.

SOUZA, K. V., ALAMINO, R. de C. J., & FERNANDES, F. R. C. (2011). Paracatu (MG): o conflito entre o Rio Bom e a mineração. CETEM/MCTI, 1, 259-282. Disponível em: . Acesso em: 29 jan. 2021.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Sensoriamento Remoto | ISSN: 2675-5491

 Revista sob Licença Creative Commons

Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn