Proposta Metodológica de Índice Ponderado de Vulnerabilidade (IPV): avaliação do bairro dos Estados (Camaragibe – Pernambuco)

Tawana de Melo Pereira, Fabrizio de Luiz Rosito Listo

Resumo


O planejamento excludente das cidades, efeito da urbanização e desigualdades sociais, leva a população mais vulnerável para ocupação em áreas de risco. Assim, este trabalho objetivou avaliar as áreas de maior vulnerabilidade física estrutural e social do Bairro dos Estados, Camaragibe (PE), necessárias para gestão de áreas prioritárias. Metodologicamente a setorização dessas áreas deu-se por meio de trabalhos de campo, interpretação de imagens de satélite, entre outros. A vulnerabilidade foi avaliada a partir de ficha de campo, com critérios selecionados considerando à relevância das características de vulnerabilidade que interferem diretamente no risco potencial, seguindo critérios/categorias a cerca do saneamento; padrão de ordenamento urbano, estrutura da moradia e características sociais, para ser gerado um Índice Ponderado de Vulnerabilidade (IPV) para os sete setores avaliados. Dos resultados obtidos para o mapeamento de vulnerabilidade física estrutural e social não houve setores classificados com vulnerabilidade baixa. Dessa forma, três setores (2, 3 e 6) foram mapeados com vulnerabilidade média, três setores (1, 4 e 7) com vulnerabilidade alta e um setor (5) foi mapeado com vulnerabilidade muito alta. O Bairro dos Estados apresentou uma alta vulnerabilidade física estrutural e social, predominantemente composta por assentamentos precários e sem infraestrutura básica exposta ao risco de escorregamentos. Diante desse contexto, identificar as vulnerabilidades é um dos caminhos para mitigação do planejamento e gestão territorial de áreas de risco no Brasil e, sobretudo no Nordeste, ainda são incipientes e necessitam de aprimoramentos.


Palavras-chave


Índice de vulnerabilidade; escorregamentos; gestão de risco; desastres.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


AUGUSTO FILHO, O.; VIRGÍLI, J. C. Estabilidade de taludes. In: OLIVEIRA, A. M. S.; BRITO, S. N. A. Geologia de Engenharia. São Paulo: ABGE-CNPq- FAPESP, 1998. p. 243-269.

BRASIL. Ministério das Cidades; IPT – INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS. Mapeamento de riscos em encostas e margem de rios. Brasília: MCidades; IPT, 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 de outubro de 2022.

CANIL, K.; LAMPIS, A.; SANTOS, K. L. Vulnerabilidade e a construção social do risco: uma contribuição para o planejamento na macrometrópole paulista. Cad. Metrop., São Paulo, v. 22, n. 48, pp. 397-416, maio/ago 2020. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/2236-9996.2020-4803. Acesso em: 20 de maio de 2021.

CARVALHO, C.S.; GALVÃO, T. (Org.) 2006. Prevenção de Riscos de Deslizamentos em Encostas: Guia para Elaboração de Políticas Municipais. Brasília: Ministério das Cidades; Cities Aliance, 2006.

CARVALHO, C. S.; OGURA; A. T.; MACEDO, E. S. Mapeamento de Risco em Encostas e Margens de Rios. Ministério das Cidades / Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT, 2007, p. 9-32.

CEPED - Centro Universitário de Estudos e Pesquisas Sobre Desastres. Atlas brasileiro de desastres naturais: 1991 a 2012 / 2. ed. rev. ampl. – Florianópolis: CEPED UFSC, 2013.

CPRM, Serviço Geológico Brasileiro, 2019. Setorização de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Movimentos de Massa, Enchentes e Inundações. Recife: CPRM/ DEGET.

DUTRA. Rita de Cássia. Indicadores de vulnerabilidade no contexto da habitação precária em área de encosta sujeita a deslizamento. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil). Centro Tecnológico da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2011.

FERREIRA, C. J; ROSSINI-PENTEADO, D. Mapeamento de risco a escorregamento e inundação por meio da abordagem quantitativa da paisagem em escala regional. In: Congresso Brasileiro de Geologia de Engenharia, 11, São Paulo, 2011. Anais..., ABGE, São Paulo, 2011.

GUERRA, A. J. T.; MARÇAL, M. S. Geomorfologia Ambiental. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2006.

GUILLARD-GONÇALVES, C.; ZÊZERE, J. L. Combining Social Vulnerability ande Physical Vulnerabilit Analyse Landslide Risk at the Municipal Scale. Geosciences, 8 (8). Lisboa, 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA -IBGE. CENSO DEMOGRÁFICO 2010 - Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Relatório de pesquisa a nova plataforma da vulnerabilidade social: primeiros resultados do índice de vulnerabilidade social para a série histórica da Pnad (2011-2015). editores: Bárbara Oliveira Marguti, et al.; Brasília: IPEA, 2015.

IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. Ocupação de Encostas. Coord. Cunha, M. A. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas, 1991.

LONDE, L. D. R. et al. (2018). Vulnerability, health and disasters in São Paulo coast (Brazil): challenges for a sustainable development. Ambiente & Sociedade, v. 21, n. 0.

PFALTZGRAFF, A. S. Mapa de Suscetibilidade A Deslizamentos Na Região Metropolitana Do Recife. Tese (Doutorado), Programa de Pós-Graduação Em Geologia, UFPE, 2007.

SANTOS, E. M. Aplicação do modelo SHALSTAB na previsão de escorregamentos no Município de Camaragibe, Região Metropolitana do Recife. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Geografia – PPGEO, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), 2020.

SUDMEIER-RIEUX, K. On Landslide Risk, Resilience and Vulnerability of Mountain Communities in Central-Eastern Nepal. Thesis, University of Lausanne, 2011.

SANTOS, E. M. Aplicação do modelo SHALSTAB na previsão de escorregamentos no Município de Camaragibe, Região Metropolitana do Recife. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Geografia – PPGEO, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), 2020.

TOMINAGA, L. K. (2007). Avaliação de Metodologias de Análise de Risco a Escorregamentos: Aplicação de um Ensaio em Ubatuba, SP. Tese de Doutorado. Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 220 p.

UNISDR- UNITED NATIONS OFFICE FOR DISASTER RISK REDUCTION (Org.). Sendai Framework for Disaster Risk Reduction 2015-2030. The United Nations Office for Disaster Risk Reduction, Geneva, 2015. Disponível em: . Acesso em: 02 abril 2022.

WILCHES-CHAUX, Gustavo. La vulnerabilidad global. In: MASKREY, Andrew. (Org.). Los desastres no son naturales. Bogotá: Tercer Mundo Editores, 1993. p. 9-50.

XAVIER, J. P. S.; BISPO, C. O.; SANTANA, J. K. R.; LISTO, F. L. R. Metodologias de Identificação de Risco a Escorregamento de Terra Associadas ao Índice de Vulnerabilidade Social (IVS), Aplicados ao Município do Recife. Ciência & Trópico, v. 43, n. 1, p. 73–86, 2019.

XAVIER, J. P. S. Erosão Pluvial e Escorregamentos no Estado de Pernambuco: Áreas de Ocorrências, Unidades de Paisagem e Banco de Dados Geográfico. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Geografia – PPGEO, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Sensoriamento Remoto | ISSN: 2675-5491

CC-BY 4.0 Revista sob Licença Creative Commons
Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn