Análise da expansão urbana e os impactos na cobertura vegetal e na temperatura da superfície terrestre do município de Toritama, agreste pernambucano

Igor Gustavo Ferreira de Oliveira, João Eduardo Martins Silva, Larissa Furtado Lins dos Santos

Resumo


Nos últimos 20 anos o município de Toritama no agreste pernambucano tem passado por um acelerado processo de desenvolvimento econômico e consequentemente a expansão territorial do seu espaço urbano, fatores esses que colaboram para a diminuição de áreas naturais de cobertura vegetal e o aumento de territórios antropizados, que ocorrem mediante o aumento do número da população residente e o processo de edificação de novos domicílios, comércios e indústrias. Como consequência desses fatores, estão os impactos causados ao meio ambiente e a qualidade de vida dos seus habitantes, decorrente do aumento da temperatura e a modificação do microclima local por efeito do aquecimento exponencial, não somente de áreas urbanizadas como também de zonas mais periféricas ao seu centro urbano. Diante desse cenário, o presente trabalho teve como objetivo a elaboração histórica no intervalo de 22 anos do processo de aquecimento local sob a utilização de técnicas de sensoriamento e geoprocessamento, para realização da análise multitemporal do comportamento da temperatura da superfície terrestre (TST), onde foram utilizadas as bandas termais dos sensores dos satélites Landsat-7 e Landsat-8 para mensurar e classificar a temperatura da superfície do território, como também de correlacionar com o índice de vegetação por diferença normalizada (NDVI) a fim de identificar a influência da diminuição da cobertura vegetal e o aumento de áreas urbanas como fatores determinantes ao aumento de temperatura. 


Palavras-chave


Impactos ambientais; NDVI; Mudanças climáticas; Sensoriamento remoto.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Blanco J. C. (2020). A criação das regiões metropolitanas no processo de urbanização brasileiro. in: Seminario Internacional de Investigación en Urbanismo. "XII Seminario Internacional de Investigación en Urbanismo, São Paulo-Lisboa.

Fusco, W.; Oliveira, R. V.; Moreira, M. M. (2021). Migração e mobilidade pendular em municípios do aglomerado de confecções das mesorregiões Agreste de Pernambuco e Borborema da Paraíba. Revista Brasileira de Estudo de População, v.38, 1-36, DOI: https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0150

Gartland, L. (2010). Ilhas de Calor: como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. São Paulo: Oficina de Textos. 147 p.

Guedes, J. C. F.; Silva, S. M. P. (2018). Sensoriamento remoto no estudo da vegetação: princípios físicos, sensores e métodos. Boa Vista, RR. ACTA Geográfica, v.12, n.29, p. 127 – 144.

Lira, S. M. (2008). Os Aglomerados De Micro E Pequenas Indústrias De Confecções Do Agreste/Pe: Um Espaço Construído Na Luta Pela Sobrevivência. Revista De Geografia, vol. 23, nº 1, 98–114p.

MAPBIOMAS. (2023). Coleção da Série Anual de Mapas de Cobertura e Uso de Solo do Brasil. Disponível em: http://mapbiomas.org/pages/database/mapbiomas_collection. Acesso em: 10/11/2023.

Mendonça, F., Zavatini, J. A. (Org.) (2015). A construção da climatologia geográfica no Brasil. Campinas: Alínea, p. 155 – 166.

Pires, E. G.; Ferreira Jr., L. G. (2015) Mapeamento da temperatura de superfície a partir de imagens termais dos satélites Landsat 7 e Landsat 8. Anais XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto – SBSR, João Pessoa-PB, Brasil. INPE Disponível em: http://www.dsr.inpe.br/sbsr2015/files/p1671.pdf

Rodrigues, R. G.; Quinto Junior L. P.; Gomes Filho, H. (2023). Ilhas de calor urbano: revisão sistemática das metodologias para classificação da área urbana em zonas climáticas locais. Anais do XX Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. Florianópolis, SC.

Serviço Geológico Brasileiro, CPRM (2005). Projeto de cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea - Diagnóstico do município de Toritama, Pernambuco. Ministério de Minas e Energia Secretaria de Geologia e Mineração e Transformação Mineral. Recife-PE. 20 p.

Rouse J.W., Haas, H.R. Schell, J.A. Deering, D.W. (1973). Monitoring vegetation systems in thegreat plain with ERTS. In: Earth Resources Technology Satellite – 1 Symposium, 3, Proc... Washington, v. 1, Sec. A, p. 309-317.

Teobaldo Neto, A. (2019). A geografia do risco e da vulnerabilidade ao calor em espaços urbanos da zona tropical: o caso Cuiabá/MT. Tese de Doutorado, Programa de Pós Graduação em Geografia, Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, SP, Brasil. 327 p.

USGS, United States Geological Survey (2014). Using Landsat 7 Data. Disponível em:

http://landsat.usgs.gov/using_Landsat_7_data.php.

USGS, United States Geological Survey (2014). Using the USGS Landsat 8. Disponível em:

https://www.usgs.gov/landsat-missions/using-usgs-landsat-level-1-data-product

Voogt, J. A.; Oke, T. R. (2003). Thermal remote sensing of urban climates. Remote Sensing ofEnvironment, v. 86, p. 370-384, DOI: https://doi.org/10.1016/S0034-4257(03)00079-8.

ZANE – Zoneamento Agroecológico do Nordeste (2006). Embrapa Solo, Recife, set. 2006. 23p. Disponível em: http://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/infoteca/handle/doc/336837


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Sensoriamento Remoto | ISSN: 2675-5491

CC-BY 4.0 Revista sob Licença Creative Commons
Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn