Mapeamento dos níveis taxonômicos das unidades de relevo na Bacia Hidrográfica do Rio Pimenta, Ilha do Maranhão – MA (Brasil)

Cristina Gomes de Lima, Danyella Vale Barros França, Quésia Duarte da Silva, Ricardo Gonçalves Santana, Dayana Serra Maciel

Resumo


Um estudo geomorfológico de detalhe é uma ferramenta indispensável ao planejamento ambiental e territorial, logo identificar os níveis taxonômicos das unidades de relevo de uma determinada área é importante para compreender os tipos de uso adequados para as unidades morfológicas ali presentes. Nesta perspectiva, este trabalho objetiva identificar os níveis taxonômicos das unidades de relevo da bacia hidrográfica do rio Pimento através do mapeamento destas morfologias. Para alcançar o objetivo proposto realizou-se as seguintes etapas metodológicas: levantamento bibliográfico e cartográfico, trabalho de campo e mapeamento temático. Como resultado foram identificados e mapeados os seis níveis taxonômicos das unidades de relevo da bacia hidrográfica do rio Pimenta. Como primeiro nível tem-se a Bacia Costeira de São Luís, segundo nível o Golfão Maranhense, terceiro nível o padrão de formas tabulares e padrão em forma de colinas, o quarto nível são as formas agradacionais: praias, dunas e planície fluvial, e as formas denudacionais: colinas e tabuleiros. O quinto táxon são as vertentes do tipo planar retilínea, convergente côncavas e divergente convexas. No sexto nível identificou-se sulcos, ravinas e uma planície aterrada, considerada uma morfologia antropogênica. Conclui-se que o mapeamento dos níveis taxonômicos das unidades de relevo é fundamental para auxiliar no planejamento ambiental e territorial, bem como para contribuir na identificação e/ou recuperação de áreas degradadas sobretudo por processos erosivos, que corresponde ao sexto nível taxonômico do relevo.


Palavras-chave


Unidade de relevo, Mapeamento geomorfológico, Geomorfologia, Cartografia geomorfológica.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Ab'Saber, A. N. (1960). Contribuição à geomorfologia do estado do Maranhão. Notícia Geomorfológica, v. 3, n. 5, p. 35-45.

Amaral, R.; Ross, J. L. S. (2009). As unidades ecodinâmicas na análise da fragilidade ambiental do parque estadual do morro do diabo e entorno, Teodoro Sampaio/SP. GEOUSP Espaço e Tempo (Online), [S. l.], v. 13, n. 2, p. 59-78.

Barbosa, G. V.; Pinto, M. N. (1973). Geomorfologia da Folha AS-23, Fortaleza, e parte da folha SA 24 – Fortaleza. In: Projeto RADAM, Rio de Janeiro.

Barros, D. V. (2014). Enchentes e inundações na bacia hidrográfica do Prata. Relatório de Pesquisa de Iniciação Científica. São Luís: UEMA, 129p.

Barros, J. S.; Bandeira, I. C. N. (Org.). (2020) Geodiversidade da Ilha do Maranhão. Teresina: CPRM.

Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM. (2018). Uso e ocupação do solo da Ilha de São Luís. In: Ana e Cprm. Projeto: Estudos Hidrogeológicos da Região Metropolitana de São Luís: Subsídio para o uso sustentável dos recursos hídricos. Recife.

Feitosa, A. C. (1983). Evolução morfogenética do litoral norte da ilha do Maranhão. Tese de Doutorado. Rio Claro: IGCE/UNESP.

Florenzano, T. (2008). Geomorfologia: conceitos e tecnologias atuais. 1. ed. São Paulo: Oficina de Textos.

Galvão, R. (1955). Introdução ao conhecimento da área maranhense abrangida pelo plano de valorização econômica da Amazônia. Revista Brasileira de Geografia. Rio de Janeiro: XVIII (3): 239-297, IBGE, jul-set.

Gerasimov, I. P.; Mescherikov, J. A. (1946). Morphostructure. The Encyclopedia of Geomorphology. Encyclopedia of Earth Sciences, v. III, Fairbridge, R.W. ed., Dowden, Hulchinson & Koss Inc., Pennsylvania. p. 731-732.

Lima, C. G. (2023). Comportamento morfológico da área das bacias hidrográficas da porção norte da Ilha do Maranhão. Relatório de Pesquisa de Iniciação Científica. São Luís: UEMA.

Lopes, R. (1970). Uma região tropical. Rio de Janeiro: Cia. Ed. Fon-Fon e Seleta.

Machado, L. E. G.; Lima, C. V. (2013). Mapeamento geomorfológico da bacia do rio Água Limpa (GO) com base em parâmetros morfométricos e morfográficos. Ateliê Geográfico, Goiânia, v. 7, n. 3, p. 79-109.

Medeiros, S. C. O. (2012). Caracterização das Dunas da Área de Proteção Ambiental da Barra do Rio Mamanguape, Rio Tinto, PB. Monografia (Graduação). UFPB/CCAE. Rio Tinto – PB.

Mescerjakov, J. P. (1968). Les concepts de mophostructure et de morphosculpture: un nouvel instrument de l’analyse géomorphologique. Annales de Geographie, n. 423, v. 77, set./out. p. 539-552.

Oliveira, M. D. N.; Almeida, M. I. S. (2019). Os estudos geomorfológicos no Brasil: evolução teórica e metodológica. Revista Geografias 15, n. 2, p. 30–41.

Ribeiro, F. P. (2002). Memórias do Sertão Maranhense. São Paulo. Siciliano.

Rocha, D. F. (2016). Importância do mapeamento geomorfológico como subsídio aos estudos sobre desertificação. Revista de Geociências do Nordeste, [S. l.], v. 2, p. 201–211.

Ross, J. L. S. (1992). O registro cartográfico dos fatos geomórficos e a questão da taxonomia do relevo. Revista do Departamento de Geografia, FFLCH-USP, n. 6. p. 17-29.

Ross, J. L. S.; Moroz-Caccia Gouveia, I. C. (2022). A taxonomia do relevo e a cartografia geomorfológica regional. Revisões de Literatura da Geomorfologia Brasileira, p.705-736.

Santos, E. R.; Santos, K. R. (2014). Geomorfologia e inundações urbanas: o caso da bacia hidrográfica do córrego Cesários em Anápolis (GO). Anais. In: X Simpósio Nacional de Geomorfologia, Manaus. Anais... Manaus: UFAM.

Silva, Q. D. (2012). Mapeamento Geomorfológico da Ilha do Maranhão. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente.

Silva, Q.D.; Nunes, J. O. R. (2012). Relevo da Ilha do Maranhão: Proposta de Classificação. In: Simpósio Nacional de Geomorfologia, IX, Anais, Rio de Janeiro, RJ.

Sousa, P. R. (2018). Análise de áreas degradadas por processos erosivos no baixo curso da bacia hidrográfica do rio Anil, Ilha do Maranhão. (Dissertação de Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Geografia, Natureza e Dinâmica do Espaço, Universidade Estadual do Maranhão.

Schobbenhaus, C.; Campos, D. A. (1984). Uma evolução da plataforma sul-americana no Brasil e seus principais minerais. - In: Schobbenhaus, C., Campos, D. A, Derze, G.R.; Asmus, H. E (Coord.): Geologia do Brasil, Ministério das Minas e Energia - Departamento Nacional de Produção Mineral, Brasília, p. 9-53.

Vitte, A. C. (2011). A construção da geomorfologia no Brasil. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 12, nº 3, p 91-108.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Sensoriamento Remoto | ISSN: 2675-5491

CC-BY 4.0 Revista sob Licença Creative Commons
Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn