A cartografia social das Unidades de Saúde da Família: construindo um mapeamento participativo com Agentes Comunitários de Saúde

João Gabriel de Moraes Pinheiro, Soraya Dantas Santiago dos Anjos, Chandra Lima Maciel, Vitoria Solange Coelho Ferreira, Jamille Amorim Carvalho Paiva

Resumo


O objetivo deste trabalho é demonstrar como a utilização da cartografia social associada com as ferramentas de geoprocessamento subsidia o mapeamento da territorialização das áreas contempladas pela cobertura dos Agentes Comunitários de Saúde (ACS) em Unidades de Saúde da Família no município de Itabuna, no sul da Bahia. Esta pesquisa se justifica pela capacidade que esta tem em subsidiar a promoção e o planejamento dos serviços de saúde por meio dos ACS e dos profissionais de saúde, bem como a demonstração da utilização de métodos cartográficos realizados por meio do mapeamento participativo podem (re)organizar o território dos agentes e implantar/implementar a espacialização de fenômenos no território que são determinantes do processo de saúde-doenças das populações em diversos ciclos de vida. Dessa forma, através do mapeamento colaborativo foi possível o (re) conhecimento do território através da cartografia pelo sujeito que nele habita, além de subsidiar o empoderamento e a busca pela autonomia do indivíduo e da população.


Palavras-chave


Geoprocessamento, Cartografia Social, Agentes de Saúde, Geografia, Atenção Primária à Saúde

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


Araújo, F. E. et al. (2017). Mapeamento participativo: conceitos, métodos e aplicações. Boletim geográfico, Maringá, v. 35, n. 2, p. 128-140.

Bissacotti, A. P. et al (2019). Territorialização em saúde: conceitos, etapas e estratégias de identificação. Hygeia: Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 15, (32), p. 41.

BRASIL. Casa Civil. Subchefia Para Assuntos Jurídicos. Lei Nº 11.350, de 5 de Outubro de 2006. Brasília, 2006. Regulamenta o § 5º do art. 198 da Constituição, dispõe sobre o aproveitamento de pessoal amparado pelo parágrafo único do art. 2º da Emenda Constitucional nº 51, de 14 de fevereiro de 2006, e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2023.

BRASIL. Ministério da Saúde. O SUS de A a Z: Garantindo a Saúde nos Municípios. Brasília: Ministério da Saúde, 3. ed., 240 p., 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2017.

Brown; G. & KYTTÄ, M. (2018). Key issues and priorities in participatory mapping: Toward integration or increased specialization?. Applied geography, 95, p. 1-8, 2018.

Capistrano, F. D. O programa de saúde da família em São Paulo. Estudos Avançados, vol.13 nº5 Jan /Apr 1999. São Paulo.

Chambers, R. (2006). Participatory mapping and geographic information systems: whose map? Who is empowered and who disempowered? Who gains and who loses?. The Electronic Journal of Information Systems in Developing Countries, 25, (1), p. 1-11.

Chapin, M. (2006). Proyectos de mapeo: identificación de obstáculos y hallazgo de soluciones. Aprendizaje y Acción Partici-pativos, Lima, (54), p. 1-6. Disponível em: http://191.98.188.189/Fulltext/7936.pdf . Acesso em: 18 abr. 2023.

Cruz, B. N. (2006). Cartografía semiótica para la comprensión de territorios de conflicto. Estudios políticos, (29), p. 99-120.

Daltro, M. R. & Faria, A. A (2019). Relato de experiência: Uma narrativa científica na pós-modernidade. Estud. pesqui. psicol. [online], 19, (1) p. 223-237.Disponível em: . ISSN 1808-4281.

Fargerholm, N. et al. (2021). A methodological framework for analysis of participatory mapping data in research, planning, and management. International Journal of Geographical Information Science, 35, (9), p. 1848-1875.

Faria, R. M. (2016). Território e saúde na geografia de Milton Santos: teoria e método para o planejamento territorial do Sistema Único de Saúde no Brasil. Raega - O Espaço Geográfico em Análise, 38, p. 291-320.

Garbin E. P. et al. (2012). Semiótica e a teoria da Visualização Cartográfica: considerações na análise do projeto cartográfico. Boletim de Ciências Geodésicas, v. 18, p. 624-642.

Gerhardt, T. E. & Silveira, D. T. (2019). Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora UFRGS, 120 p.

Gomes, M. F. V. B. (2017). Cartografia Social e Geografia Escolar: aproximações e possibilidades. Revista Brasileira de Educação em Geografia, 7, (13), p. 97-110.

Goldstein, R. A. et al. (2013). A experiência de mapeamento participativo para a construção de uma alternativa cartográfica para a ESF. Ciência & Saúde Coletiva, 18, (1), p. 45-56.

Gondim, G. M. M. et al. (2008). O território da saúde: a organização do sistema de saúde e a territorialização. Território, ambiente e saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, p. 237-255.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria Nº 2.436 de 21 de Setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, 2006. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2023.

Pettigrew, L. M. et al (2015). Primary health care and the Sustainable Development Goals. The Lancet, v. 386, n. 10009, p. 2119-2121.

Raffestin, C. (1993). Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 270 p.

Rambaldi G. et al. (2006). Participatory spatial information management and communication in developing countries. The electronic journal of information systems in developing countries, 25, (1), p. 1-9.

Ribeiro, D. M. (2017). CARTOSSEMIÓTICA: uma abordagem peirciana dos mapas e da cartografia. Dispositiva, 6, (10), p. 1-18.

Santalla, L.; Noth. W. (2021). Introdução à semiótica. São Paulo: Paulus Editora.

SILVA, C. N.; VERBICARO, C. O mapeamento participativo como metodologia de análise do território. Scientia Plena, v. 12, n. 6, 2016.

Teixeira, C. F.; Paim, J. S. & Villas Bôas, A. L. (1998). SUS: modelos assistenciais e vigilância da saúde. Informe Epidemiológico do SUS, 7(2): 7-28, 1998.

Tomaz, Y. P. (2020). Cartografia participativa aplicada ao desenho ambiental. Revista LABVERDE, 10, (1).

VOLLI, U. (2008). Manual de semiótica. São Paulo: Edições Loyola.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Sensoriamento Remoto | ISSN: 2675-5491

CC-BY 4.0 Revista sob Licença Creative Commons
Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn