Aplicação do modelo HAND para modelagem de suscetibilidade à inundação nos bairros de ilhéus, sul da Bahia (Brasil)

João Gabriel de Moraes Pinheiro

Resumo


A presente pesquisa bem como a utilização de procedimentos teórico-metodológicos possui o objetivo principal de mapear, quantificar e mensurar as áreas suscetíveis a inundação distribuída nos bairros da sede municipal de Ilhéus, no sul da Bahia, por meio da utilização das tecnologias de geoprocessamento e dos SIG. Após o processamentos dos dados no Hand Model, foi gerado 3 classificações de inundação, a saber: i) muito alto, ii) médio e iii) baixo.  A classificação de muito alto ocupa uma área de 617,8 hectares, a classificação de inundação média ocupa 201,3 hectares, e por último a classificação baixa ocupa 194,2 hectares. Diante da realização da modelagem de inundação na deslizamento na sede municipal de Ilhéus, constatou-se que parte considerável da mancha urbana estar suscetível ao risco de inundação, principalmente nas áreas urbanas de alta densidade de edificações. Relativo à inundação a mesma ocorre devido as cheias do rio, bem como a drenagem superficial ineficiente do município.


Palavras-chave


Geoprocessamento; Inundações; Modelagem.

Texto completo:

PDF (Português)

Referências


ASF - Alaska Satellite Facility. (2015). Radiometrically Terrain Corrected ALOS PALSAR products. Product Guide, revision 1.2. Fairbanks, Alaska: [s.n.]. Disponível em: . Acesso em: 22 jul. de 2023.

Batalha-Filho, H.; Miaky, C. Y. (2011). Filogeografia da Mata Atlântica. Revista da Biologia, 7, p. 31-34.

BRASIL. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei Federal Nº 12.608, de 10 de abril de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil - PNPDEC; dispõe sobre o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil - SINPDEC e o Conselho Nacional de Proteção e Defesa Civil - CONPDEC; autoriza a criação de sistema de informações e monitoramento de desastres; altera as Leis nºs 12.340, de 1º de dezembro de 2010, 10.257, de 10 de julho de 2001, 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.239, de 4 de outubro de 1991, e 9.394, de 20 de dezembro de 1996; e dá outras providências. Brasília, 2012. Disponível em: < https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12608.htm>. Acesso em: 20 de jul. de 2023.

Farias, A.; Mendonça, F. A. (2019). Modelagem e mapeamento de áreas de perigo de inundação urbana na cidade de Francisco Beltrão (Brasil). Physis Terrae-Revista Ibero-Afro-Americana de Geografia Física e Ambiente, 1, (1), p. 73-91.

Fonseca, M. N. da.; Ferentz, L.M.S. (2020). Percepções sobre as consequências e prejuízos de inundações: estudo aplicado em Pinhais, Paraná. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais – RBHCS,12, (23).

Fonseca, M. N.; Garcias, C. M. (2020) Comunicação de risco de inundação: instrumento fundamental da gestão de riscos de desastres. DRd-Desenvolvimento Regional em debate, 10, p. 1139-1159.

Goerl, R. F.; Michel, G. P.; Kobiyama, M. (2017). Mapeamento de áreas susceptíveis a inundação com o modelo HAND e análise do seu desempenho em diferentes resoluções espaciais. Revista brasileira de cartografia, 69, (1), p. 61-69.

Jenson, S. K.; Domingue, J. O. (1988). Extracting topographic structure from digital elevation data for geographic information system analysis. Photogrammetric Engineering and Remote Sensing, 54, (11), p.1593−1600.

Kobiyama, M. et al. (2006). Prevenção de desastres naturais: Conceitos básicos. Curitiba: Organic Trading. 109 p. ISBN: 85-87-75503-X.

Lima, R. E. et al. (2021). Proposta metodológica para mapeamento de risco de inundação no município de Curitiba (Paraná). Caminhos de Geografia, 22, (82), p. 01-12.

Mengue, V. P. et al. (2016). Utilização do Modelo HAND para mapeamento das áreas mais suscetíveis à inundação no Rio Uruguai. Pesquisas em Geociências, 43, (1), p. 41-53.

Momo, M. R. et al. Desempenho do modelo HAND no mapeamento de áreas suscetíveis à inundação usando dados de alta resolução espacial. RBRH, 21, p. 200-208, 2016.

Nobre, A. D. et al. Height Above the Nearest Drainage – a hydrologically relevant new terrain model. Journal of Hydrology, 404, (1), p. 13-29, 2011.

O’callagan, J. F.; Mark, D. M. (1984). The extraction of drainage networks from digital elevation data. Computer Vision, Graphics and Image Processing, 28, (3), p. 323−344.

Pinheiro, A. (2007). Enchentes e inundações. In: SANTOS, R. F. (Org.). Vulnerabilidade Ambiental. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, p. 97-108. ISBN: 978-85-7738-080-0.

Pozzer, C. P. et al. (2014). O Marco de Ação de Hyogo aplicado à gestão de risco de inundação no Brasil e em Portugal. Territorium, 21, p. 49-70.

Rennó, C. D. et al. (2008). HAND, a new terrain descriptor using SRTM-DEM; mapping terra-fi rme rainforest environments in Amazonia. Remote Sensing of Environment, 112, p. 3469-3481.

Santos, K. R. (2012). Inundações urbanas: um passeio pela literatura. Élisée-Revista de Geografia da UEG, 1, (01), p. 177-190.

UNDP - United Nations Development Program. (2004). Reducing disaster risk: a challenge for development. New York: UNDP, 130 p.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Brasileira de Sensoriamento Remoto | ISSN: 2675-5491

CC-BY 4.0 Revista sob Licença Creative Commons
Language/Idioma
02bandeira-eua01bandeira-ingla
03bandeira-spn